Reforma abençoada

Há 78 anos, a figura do ‘Moço’ de braços abertos faz parte de uma paisagem que tem o dedo dele próprio. Hoje em dia, é bem verdade, é praticamente impossível imaginar o Rio de Janeiro sem a presença do Cristo Redentor, bem no alto do Morro do Corcovado, encravado na reserva florestal da Tijuca. São quase oito décadas de uma relação de cumplicidade com os cariocas, que enxergam na estátua de quase 50 metros de altura uma aura de proteção a uma cidade que já nasceu abençoada.

Mas quem protege também precisa de carinho, atenção e cuidado. Por isso, o monumento que foi eleito em 2009 uma das sete maravilhas modernas do mundo está passando pela maior reforma de sua história. Uma restauração orçada em sete milhões de reais (e custeada pela Vale) que respeita detalhe por detalhe da construção original. Desde a origem e a coloração das pastilhas de pedra-sabão vindas de Ouro Preto, em Minas Gerais, que cobrem o concreto, até a limpeza criteriosa da superfície com uma substância química, que minimiza os efeitos da erosão, dos raios e da sujeira, preservando as características deste patrimônio dos brasileiros.

Prevista para terminar em junho, a obra conta com 50 profissionais, entre arquitetos, engenheiros e restauradores, que trabalham das oito da manhã até o fim da tarde sobre andaimes montados a mais de 750 metros do nível do mar. Em compensação, presenteados diariamente com uma vista e tanto neste escritório um tanto incomum. A parte mais complicada do processo, segundo entrevista concedida pelos coordenadores da reforma ao portal iG, é levar até lá cerca de 70 toneladas de equipamentos, fundamentais no trabalho de restauro.

O Cristo Redentor recebe mais de um milhão e oitocentos mil visitantes por ano. A maior parte, turistas estrangeiros. Só que, mesmo sem subir até lá com frequência, cada pessoa que vive no Rio – carioca de nascimento ou de coração – não passa um dia sequer sem olhar ao menos uma vez para Ele. Afinal, se esta é a Cidade Maravilhosa, é porque é abençoada todos os dias pela Sua luz.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *