Rescaldo

Foi pesado, mas acabou. Os últimos 15 dias foram praticamente uma avalanche de trabalho, metáfora que explica a escassês de mensagens neste período aqui no Fórmula Grün, principalmente na última semana. Estou exausto, mas feliz por ter feito o melhor que pude no aspecto jornalístico.

Os legados sociais do furacão que passou pelo Rio na segunda metade de julho ainda são uma incógnita. Conhecendo os governantes dessa cidade, acho difícil que vejamos crianças fora do tráfico, projetos sociais coerentes, manutenção adequada das instalações, clareza nas contas públicas, entre outras utopias.

Arenas da Prefeitura do Rio de Janeiro construídas sobre o Autódromo de Jacarepaguá para o Pan 2007 / Foto: Divulgação Prefeitura do RioMas bem que eu gostaria que algumas promessas fossem cumpridas. Como a reconstrução do Autódromo Internacional Nelson Piquet, criminosamente amputado para o asfalto dar lugar a modernos “complexos” esportivos. Que poderiam ter sido construídos em diversos outros lugares, inclusive do outro lado da rua. Mas que, inexplicavelmente, foram erguidos sobre as curvas Norte e Nonato, acabando com uma das mais belas e seletivas pistas do País.

Participe da discussão

4 comentários

  1. Vamos sentir muita falta dessa pista ainda! Sobre o que vai acontecer no pós-pan, fica uma pergunta. Vc acredita no César Maia ???

    Abraço!

  2. Realmente uma pena o que fizeram com o autódromo Nélson Piquet que é um dos mais bonitos do país. O Rio precisa de uma pista para receber competições automobilísticas. A construção dessas belissimas arenas poderiam ser feitas do outro lado da rua sem prejudicar o circuito.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *