Geografia besta

Nos anos 70, num fenômeno meio que inexplicável, viver na Tijuca – bairro da zona norte carioca – virou sinônimo de status. Além do crescimento desordenado do bairro, houve outro aspecto interessante nessa época. Quem morava nos bairros adjacentes passou a se considerar tijucano. E foi assim que riscaram do mapa alguns simpáticos pedacinhos do Rio, como Aldeia Campista, Muda, entre outros.

Agora isso está acontecendo com a cada dia mais emergente Barra da Tijuca. Estão incorporando descaradamente fins de mundo como Jacarepaguá, Vargem Grande, Vargem Pequena e, quem diria, até a inacessível Camorim. Nem quero saber até onde esse povo vai para dizer que é chique ou que ‘mora bem’.

Só que esse modismo, infelizmente, tem um gravíssimo efeito colateral. E ele se chama especulação imobiliária. Nessa onda aparentemente irrefreável, muita gente ganha muito dinheiro, sem respeitar quaisquer traços de cultura, meio-ambiente e distribuição social.

Esta, aliás, é a única explicação que encontro para a violenta sede de destruição do prefeito do Rio de Janeiro em relação ao Autódromo de Jacarepaguá. É bom lembrar que ele foi construído na década de 1960, quando a única coisa que crescia naquela região era o mato alto. Chegou lá, portanto, bem antes dos emergentes.

Participe da discussão

3 comentários

  1. Glorioso amigo da F1, abriu uma coisa dessa aqui no computador que eu estava. Infelizmente, só de ler o primeiro parágrafo, quando você, insanamente e cometendo desvaneios absurdos, ousou falar mal da minha Tijuca.

    Gostaria que você soubesse que eu moro na Tijuca, sou %!@$&@# tenho status, dinheiro pacaralhu, só ando com mulherão e nunca mudaria para a Barra.

    Se você tiver algo contra a Tijuca, que ande pelas ruas da gloriosa Conde de Bonfim e constate que temos grandes e preciosos valores humanos por lá.

    Ah, esqueci: %!@$&@#se 🙂 heheheh

  2. Eu tb moro na Tijuca, onde um dia deveria ficar a Aldeia Campista…mas não tenho nada mais a acrescentar sobre o assunto a não ser a destruição do Rio de Janeiro, que era maravilhoso, agora é lindo… tenho medo de onde isso vai parar.

  3. Cara, isso acontece com vários bairros, como o Méier (que incorpora Jacaré, Caxambi e adjacentes), os casos citados (Barra e Tijuca). O pior é quando o problema é municipal: pessoas de Belford Roxo, Queimados e Caxias dizendo que moram perto de Bangu. Isso sem falar no caso de Niteroi, qualquer pessoa que more pra lá da baia acha que mora em niteroi.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *