Dez anos da vergonha

Neste fim de semana de dia das mães, uma das maiores polêmicas da história da Fórmula 1 completa dez anos: a ordem de equipe da Ferrari no Grande Prêmio da Áustria de 2002, uma manipulação de resultado que mexeu para sempre com os bastidores e a política da categoria, Protagonizada por Michael Schumacher e Rubens Barrichello, sob orientação do então diretor esportivo (esportivo?) Jean Todt, a manobra foi lembrada nesta matéria que preparei para o GLOBOESPORTE.COM, ouvindo os especialistas Reginaldo Leme e Lito Cavalcanti, além do próprio Barrichello.

Uma década se passou, mas a ferida, pelo visto, está mais aberta do que nunca. Veja as voltas finais da prova e a reação exaltada do público austríaco na transmissão da corrida na época, pela Rede Globo. E note o cinismo do alemão ao dizer, depois de comemorar o resultado dentro do carro, que não concordou com a decisão:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *